Quem passou por aqui

sábado, 22 de agosto de 2009

O sol e a brisa

Em determinado momento do dia,
a brisa passa debaixo do sol que torra.
Poderia ser o inverso:
o sol torra, mas, a brisa passa...

Não há porque desistir,
se, cá embaixo,
a brisa continua passando,
mesmo com o sol que torra.

Entre o sol e a brisa,
não existe uma ponte de concreto
que ligue um lado ao outro.
Nós estamos entre os dois...

O que mais arde no sol
é o suor todo dia suado;
é a pele queimada que,
já à noite, cozinha o sonho.

O que o sol tenta matar
é a umidade que transborda
dos nossos corpos todos os dias,
a contragosto de seu abrasamento...

É o suor ardido diante do sol
que se encontra com a brisa.
Sempre, às duas da tarde,
da planta do pé à ponta do cabelo.

E a sensação que o vento provoca,
dançando nas costas, na nuca;
enfrentando os olhos, segurando o peito.
Quase esquecemos do sol...

Entre os dois pontos desse lugar,
(no instante do encontro de brisa e sol)
o mundo deixa de girar um segundo.
E eu sei que estou vivo!


Luiz Augusto Rocha

3 comentários:

Juliano Domingues disse...

Curti muito ler isso.

Obrigado, meu caro!

Abraço

Cristiano Contreiras disse...

Parabéns, seu blog reina e expressa a pura poesia íntima e contagia a todos, abraço e irei te seguir!

Giovanni Giocondo disse...

muy buena! O jogo das palavras faz com que eu me sinta bem.