Quem passou por aqui

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Reveio o Reveillon

Eu não quero a simplicidade
de um ano bom e feliz.
Eu quero a complicação
de um tempo complicado.

Eu não quero a verdade
de um dia comum.
Eu quero a ilusão
de fogos de artifício.

Eu não quero a sobriedade
de um mecânico Feliz-Data.
Eu quero o exagero
de sempre recomeçar.

Eu não quero o Reveillon
das crianças obedientes.
Eu quero, que ele venha
em mil alegrias!


Luiz Augusto Rocha, para Letícia.

Um comentário:

Filósofo da zona. disse...

E esse 2011 que não acaba nunca, hein rapaz?!

Goiaba meu jovem, muito massa esses versos, deu vontade de sair aqui pelo corredor lendo em voz alta.

O mais legal desse é que é o improvável. Me deixou a pensar se eu prefiro a verdade de um dia comum ou a ilusão de um 4, 3, 2, 1

A propósito, bom 2011, Curupira!